sábado, 16 de janeiro de 2021

Municípios recebem 3.000 livros de autores maranhenses premiados na Lei Aldir Blanc


Difundir a literatura feita por maranhenses e estimular novas gerações de leitores. Foram com esses objetivos que o Governo do Maranhão, por meio da Secretaria de Estado da Cultura (Secma), entregou nesta sexta-feira (15), 3.000 livros de autores maranhenses (50 kits com 60 livros cada) para bibliotecas públicas e comunitárias de 35 municípios maranhenses. 

As obras foram adquiridas via edital de Fomento à Literatura Maranhense, da Lei Aldir Blanc no Maranhão (Lei de Emergência Cultural nº 14.017/20), e entregues em solenidade realizada no Teatro João do Vale, no Centro Histórico de São Luís.   

Ao final do processo de entrega das obras selecionadas via Aldir Blanc, o Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas do Maranhão (SEBP-MA), coordenado pela Biblioteca Pública Benedito Leite (BPBL), passou a contar com 4.173 novos livros de escritores maranhenses. 

Ao todo, 35 bibliotecas públicas municipais receberam os kits, além de 15 bibliotecas comunitárias  – sendo 14 da capital e uma do povoado Bom Lugar, no município de João Lisboa.

Em cerimônia restrita, para conter a proliferação do novo coronavírus, as obras foram distribuídas nesta sexta-feira às bibliotecas cadastradas no SEBP-MA. Os outros livros serão entregues ao longo do ano.

Participaram do ato de entrega dos livros os secretários de Estado Anderson Lindoso (Cultura), Felipe Camarão (Educação), Diego Rolim (Meio Ambiente), o diretor-presidente da Maranhão Parcerias (MAPA), Antônio Nunes, além do deputado estadual Duarte Júnior, da diretora da BPBL, Aline Nascimento, prefeitos e autores que tiverem obras selecionadas via Lei Aldir Blanc. 

Duplo benefício 

Para o secretário da Cultura, Anderson Lindoso, com as entregas, o Governo do Maranhão “concretiza dois grandes benefícios”: o apoio aos autores maranhenses em meio à crise da pandemia e a difusão da literatura local para o maior número de leitores.

“Hoje nós estamos concretizando dois grandes benefícios para a sociedade maranhense: o primeiro foi a aquisição de obras literárias de autores maranhenses, que durante o período da pandemia não conseguiram comercializar os seus livros com o fechamento do comércio. Nós conseguimos comprar esses livros desses autores e agora estamos concretizando o segundo maior objetivo, que é disponibilizar esses livros para que todos os maranhenses possam utilizá-los e conhecê-los, por meio das bibliotecas públicas municipais e nas bibliotecas comunitárias de todo o Estado”, pontuou Lindoso. 

O secretário de Educação (Seduc), Felipe Camarão, destacou a parceria desenvolvida com a Secma no processo contínuo de revitalização de bibliotecas públicas em todo o Maranhão, iniciativa que estimula o saber, a cultura e o conhecimento nas mais variadas regiões do estado.

“Mais um marco para a Cultura e Educação. Hoje entregamos 50 kits com livros de autores maranhenses a 35 municípios e 15 bibliotecas comunitárias pela Lei Aldir Blanc. Uma ação importante que faz parte de uma ampla política do governo Flávio Dino para fomento à literatura maranhense, à cultura e incentivo à leitura. Já são quase 3 milhões de investimentos na aquisição de livros de autores maranhenses e outras ações importantes. Tudo isso com a missão de garantir um Maranhão mais leitor”, destacou Felipe Camarão.

“Oportunidade de chegar ao público”

Autor laureado na Lei Aldir Blanc, o escritor e roteirista Iramir Araújo destinou três obras para as bibliotecas maranhenses, entre elas, uma versão em quadrinho do clássico “O Mulato”, romance do também maranhense Aluísio Azevedo, e obra fundadora do naturalismo literário no Brasil.  

“Estar junto dessa gama de autores, muitos deles ainda não conhecidos pelo grande público, é uma oportunidade fantástica de chegarmos ao nosso público, que é o leitor”, frisou o escritor. 

“Da crise uma oportunidade”

A diretora da Biblioteca Pública Benedito Leite (BPBL), Aline Nascimento, avalia que, com as entregas das obras adquiridas por meio da Lei Aldir Blanc, “o governo fez da crise uma oportunidade”. 

“A partir daí nós vamos conseguir levar a literatura maranhense, uma literatura de muita qualidade para os diversos municípios do Maranhão. Muitos leitores não conhecem o grande talento literário que o Maranhão tem. Essa é uma oportunidade para a gente renovar o acervo das bibliotecas e estimular a prática da leitura”, afirmou Aline Nascimento.   

Sobre o SEBP-MA

As obras adquiridas via Lei Aldir Blanc renovaram o acervo do Sistema Estadual de Bibliotecas do Maranhão (SEBP-MA). O SEBP do Maranhão foi institucionalizado pelo governador Flávio Dino por meio da Lei nº 10.613, de 5 de julho de 2017.  

A partir desta data, o SEBP-MA passou a ser representado pela Rede Estadual de Bibliotecas Faróis do Saber, bem como pelas bibliotecas municipais e comunitárias localizadas no Maranhão, que, mediante a celebração de Termos de Compromisso, integram uma rede coordenada e operacionalizada pela Biblioteca Pública Benedito Leite, equipamento cultural integrante da estrutura organizacional da Secma.

sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

MOB determina circulação de 100% da frota de ônibus nos dias do Enem

 

MOB determina circulação de 100% da frota de ônibus nos dias do Enem

Para garantir o atendimento nos dois dias de aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), 17 e 24 deste mês, a Agência Estadual de Mobilidade Urbana e Serviços Públicos (MOB) publicou, nesta quinta-feira (14), portaria que determina a circulação de 100% da frota do sistema de transportes semiurbano, que compreende os municípios de Paço do Lumiar, Raposa e São José de Ribamar, gerenciado pela Agência. 

Conforme a Portaria nº 04/2021, que entra em vigor à 0h do dia 17 (próximo domingo), as empresas deverão operar nos dias de aplicação das provas com a mesma frota programada para os dias úteis. 

“Essa é uma determinação do governador Flávio Dino para que os estudantes que irão fazer as provas do Enem e são usuários do transporte coletivo possam se deslocar de forma tranquila de suas residências aos locais das provas, para que todos participem do Exame”, ressaltou o presidente do órgão, Daniel Carvalho.

SEMED planeja iniciar calendário letivo de 2021 no mês de março

 Por Assessoria

SEMED planeja iniciar calendário letivo de 2021 no mês de março

O retorno às aulas é pauta prioritária da Secretaria Municipal de Educação (SEMED). O objetivo é intensificar os diálogos para encontrar soluções que possibilitem o início do ano letivo de 2021 no mês de março. A ideia é implantar o sistema remoto, por meio de nova plataforma educativa de ensino on-line e com calendário e currículo unificados para todas as escolas da rede municipal de ensino.

“Estamos em um momento em que a saúde dos nossos alunos, professores e servidores são a prioridade, no entanto, é possível seguir com o ensino de maneira remota trabalhando em equipe. O aluno receberá as aulas interativas para assistir em casa e os professores, participarão de formações para conhecer a nova plataforma que iremos utilizar, e receberão todo suporte da SEMED para esse retorno às aulas. É uma estratégia para que possamos realizar um trabalho organizado e efetivo”, destacou a vice-prefeita e secretária de Educação de São Luís, professora Esmênia Miranda.

Para o retorno às aulas, a SEMED está desenvolvendo um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), que será utilizado por alunos e professores como ferramenta de apoio ao ensino remoto. Pela plataforma, todos os estudantes e professores estarão integrados e terão acesso às aulas previamente gravadas com conteúdo unificado, alinhado ao currículo e mesmo calendário escolar.

“Queremos conectar toda a comunidade escolar, com equipamentos e uma mesma plataforma, para que a rede municipal de ensino fale a mesma linguagem”, explicou Denylson Serejo, coordenador do Centro de Tecnologia, Inovação e Formação Continuada da SEMED.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

Márcio Jerry diz que, após dois anos, gestão Bolsonaro aponta para um desastre

Deputado federal eleito pelo PCdoB Maranhão e atualmente secretário de Estado das Cidades e Desenvolvimento Urbano do Governo do Maranhão, Márcio Jerry disse nesta quinta-feira (14) que, passados dois anos de Jair Bolsonaro (sem partido) na presidência, o governo federal aponta para um desastre que será sentido por todos os brasileiros.

“Bolsonaro e sua turma de aloprados querem uma república miliciana no Brasil. Querem um país de foras da lei. Já são dois anos, e há sinais graves por todos os lados, na política interna e externa. E todos os sinais apontam para um desastre. Uma pena constatar, mas todos nós pagaremos caro por esse acidente histórico”, disse.

Bolsonaro chega à metade de seu mandato com 60 pedidos de impeachment, 46% de rejeição, conforme pesquisa PoderData, e acumulando acusações em diversos casos graves, envolvendo crimes de corrupção e improbidade administrativa.

Nesta semana, por exemplo, a Human Rights Watch, importante órgão internacional, divulgou seu relatório anual sobre a situação dos direitos humanos, analisando mais de 100 países. No capítulo sobre o Brasil, a organização afirma que Bolsonaro “tentou sabotar medidas de saúde pública destinadas a conter a propagação da pandemia da Covid-19”, além de “promover políticas contrárias aos direitos das mulheres e das pessoas com deficiência, enfraquecer a aplicação da lei ambiental e dar sinal verde às redes criminosas que operam no desmatamento ilegal da Amazônia”.

Avião parte hoje para buscar 2 milhões de doses da vacina de Oxford

 Por Artur Oliveira

Avião parte hoje para buscar 2 milhões de doses da vacina de Oxford

Um avião da companhia aérea Azul vai decolar hoje (14) para a Índia, de onde retornará ao Brasil com dois milhões de doses da vacina contra a covid-19, informou o Ministério da Saúde. 

A aeronave sairá do Aeroporto de Viracopos, em Campinas (SP), às 13h, com destino a Recife. Após a escala, partirá direto para a cidade indiana de Mumbai. As vacinas estão previstas para chegar ao Brasil no próximo sábado (16). O avião pousará no Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro.

Ao chegar, as vacinas aguardarão o aval da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que se reunirá no domingo (17) para analisar o pedido de uso emergencial, apresentado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), parceira da AstraZeneca e da Universidade de Oxford no Brasil.

Segundo o Ministério da Saúde, a vacina será distribuída aos estados em até cinco dias após o sinal verde da Anvisa, para, assim, dar início à imunização em todo o país, de forma simultânea e gratuita.

O ministério disse ainda que, além do apoio da Azul, contará com a Associação Brasileira de Empresas Aéreas por meio das companhias Gol, Latam e Voepass para a logística de transporte gratuito da vacina para covid-19.

A segurança no transporte das doses pelo Brasil será feita pelas Forças Armadas, em ação conjunta com o Ministério da Defesa.

“O sucesso da operação de importação demonstra o excelente momento das relações Brasil-Índia e a solidez da Parceria Estratégica bilateral. Os dois países têm mantido, recentemente, frequentes contatos em alto nível, pautados por espírito de solidariedade e cooperação no enfrentamento da pandemia de covid-19”, diz nota conjunta assinada pelos ministérios da Defesa e das Relações Exteriores.

Aeronave

O avião que partirá hoje para a Índia é um Airbus A330neo, maior aeronave da frota da companhia e estará equipado com contêineres específicos para garantir o controle de temperatura das doses de acordo com as recomendações do fabricante. 

Ontem (13), a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) autorizou as empresas aéreas a transportarem vacinas refrigeradas com gelo seco na cabine de passageiros. O transporte só ocorrerá, entretanto, se não houver passageiros durante o voo.

A medida alterou outra resolução da Anac, de dezembro do ano passado, que aprovou diretrizes para permitir, em caráter excepcional, o transporte de carga nos compartimentos de passageiros devido à pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Com informações da Agência Brasil.

quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

ASTRO JANTA COM A JUVENTUDE

O vereador Astro de Ogum (PCdoB) ofereceu um jantar para a juventude e aproveitou a ocasião para agradecer pela dedicação de todos os que se empenharam na sua campanha vitoriosa "mesmo com toda a dificuldade que enfrentei, Deus me honrou". Disse o vereador. Os jovens ficaram felizes pelo reconhecimento. Astro relatou que tem palavra e que jamais abandona quem lutou ao seu lado.



Gás de cozinha sobe mais que o dobro da inflação em 2020

 

AUMENTO


Depois da inflação dos alimentos, no segundo semestre, o brasileiro enfrentou uma nova pressão sobre os preços no fim de 2020. O gás de cozinha encerrou o ano passado com alta de 9,24%, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgado hoje (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Isso representa mais que o dobro da inflação de 4,52% registrada no ano passado.

Usado principalmente pelas famílias mais pobres, que vivem em domicílios com menos estrutura, o gás de cozinha terminou em alta na comparação com outros tipos de derivados de petróleo. O gás encanado, usado pelas famílias de maior renda, terminou 2020 com recuo de 1,29%. O gás veicular fechou o ano passado com alta de 1,66%.

Atualmente, o preço do botijão de 13 quilogramas (kg) custa entre R$ 59,99 e R$ 105, com preço médio de R$ 75,04, segundo o levantamento semanal da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). No início da pandemia de covid-19, o preço médio estava em R$ 69. (UOL).

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

Vacina Coronavac tem uma eficácia global de 50,38%, diz novo comunicado do Instituto Butantan

 

0
17
    

Pesquisa com 12,5 mil voluntários em 16 centros científicos no Brasil atesta que imunizante oferece ampla proteção contra o coronavírus

O Instituto Butantan e o Governo de São Paulo informam nesta terça-feira (12) que a vacina contra o coronavírus Coronavac obteve 50,38% de eficácia global no estudo clínico desenvolvido no Brasil, além de proteção de 78% em casos leves e 100% contra casos moderados e graves da COVID-19. Todos os índices são superiores ao patamar de 50% exigido pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Os resultados foram submetidos a um comitê internacional independente e já estão com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que analisa o pedido de uso emergencial do imunizante no Brasil. A pesquisa envolveu 16 centros de pesquisa científica em sete estados e o Distrito Federal. O teste duplo cego, com aplicação da vacina em 50% dos voluntários e de placebo nos demais, envolveu 12,5 mil profissionais de saúde.

“É uma excelente vacina esperando para ser usada em um país onde morrem, no momento, em torno de mil pessoas por dia. Esperamos que as autoridades entendam o momento e ajudar nossa população a receber as vacinas o mais rapidamente possível”, afirmou o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas.

“Os dados são extremamente importantes no impacto da saúde pública, impedindo que as pessoas adoeçam de forma grave e sobrecarreguem hospitais. É a possibilidade de impedirmos que as pessoas morram”, disse o Secretário de Estado da Saúde, Jean Gorinchteyn. “Temos uma vacina que foi testada na vida real, no meio de uma pandemia e naqueles que eram mais expostos”, acrescentou.

O estudo verificou que a menor taxa foi registrada em casos de infecções muito leves, considerados score 2 e verificados em pacientes que receberam placebo. De uma amostragem de 9,2 mil participantes, 85 dos casos muito leves foram de pessoas que receberam vacina, e 167 em voluntários que tomaram placebo.

Para os casos moderados e graves que necessitaram de hospitalização, a eficácia foi de 100%. Nenhum paciente infectado que recebeu a vacina do Butantan precisou de internação. Entre os que tomaram placebo, houve sete pacientes que precisaram de internação.

Todo os voluntários são profissionais de saúde, com risco muito alto e contínuo de exposição ao coronavírus. Eles receberam duas doses da vacina, com intervalos de duas semanas entre cada aplicação. A pesquisa também demonstrou que o imunizante é extremamente seguro – nenhuma reação adversa grave foi registrada entre os participantes.

A vacina é desenvolvida pelo Butantan há pouco mais de seis meses, em parceria internacional com a biofarmacêutica Sinovac Biotech, sediada em Pequim. O produto é baseado na inativação do vírus Sars-CoV-2 para induzir o sistema imunológico humano a reagir contra o agente causador da COVID-19. A tecnologia é similar à de outras vacinas amplamente produzidas pelo instituto de São Paulo.

Em novembro, a revista científica Lancet, uma das mais importantes no mundo, publicou os resultados de segurança da vacina do Butantan nas fases 1 e 2, realizados na China, com 744 voluntários. A publicação mostrou que o produto é seguro e capaz de produzir resposta imune em 97% dos casos em até 28 dias após a aplicação.

O Butantan já dispõe de 10,8 milhões de doses da vacina em solo brasileiro. No final de março, a carga total de imunizantes disponibilizados pelo instituto é estimada em 46 milhões de doses. O Plano Estadual de Imunização tem início previsto para o próximo dia 25.