sexta-feira, 1 de maio de 2020

Governo do Maranhão anuncia como será isolamento obrigatório determinado pela Justiça

Decisão entra em vigor na próxima terça-feira (5) na capital São Luís e em mais três cidades da Região Metropolitana. Liminar vale por dez dias e atinge mais de 1,5 milhão de pessoas.
01/05/2020 21h19 Atualizado há 3 horas
Governo do Maranhão anuncia como será isolamento obrigatório determinado pela Justiça
Governo do Maranhão anuncia como será isolamento obrigatório determinado pela Justiça
O governo do Maranhão anunciou como vai ser o isolamento obrigatório determinado pela Justiça.
A decisão entra em vigor na terça-feira (5) e vale para a capital São Luís e mais três cidades da Região Metropolitana. Mas parece que a população começou a entender o recado.
A praia do Calhau, a mais frequentada de São Luís, não tinha ninguém. Os ônibus estavam vazios. A Rua Grande, que foi fechada na quinta (30) para evitar aglomerações, não precisou mais da polícia controlando o acesso. Na quinta, a PM precisou barrar as pessoas que insistiam em passear pela rua, mesmo com o comércio fechado.
Normalmente a circulação de pessoas já é grande em uma das ruas mais movimentadas do centro de histórico de São Luís. E nos feriados, a circulação de pessoas costuma aumentar: turistas, vendedores ambulantes, ou gente que sai de casa simplesmente para passear com a família ou contemplar os casarões históricos. Mas nesta sexta (1º), assim como em grande parte da cidade, o clima era outro: silêncio e tudo vazio.
De acordo com a decisão da Justiça, carros particulares não vão poder entrar ou sair da ilha de São Luís, que é formada pela capital e por outros três municípios. E os veículos também não poderão circular nas cidades, a não ser se for ao mercado, farmácia, hospital ou para fazer itinerários de serviços essenciais. Só comércios de alimentos e de medicamentos poderão funcionar.
A liminar vale por dez dias e atinge mais de 1,5 milhão de pessoas. O descumprimento pode resultar em pena de até um ano de prisão e multa.
O governador Flávio Dino, do PcdoB, explicou como vai ser a fiscalização: "teremos barreiras. Não só na entrada da ilha de São Luís, mas também nas principais avenidas. Com pontos de controle para que só circulem pessoas que trabalhem em atividades essenciais, ou que tenham alguma atividade emergencial, como, por exemplo, acesso a serviços de saúde”.
O Maranhão tem mais de 200 mortes e 3,5 mil casos confirmados da doença. As UTIs estão com quase 80% de ocupação e as UPAs estão cheias.

Sem comentários:

Publicar um comentário