sexta-feira, 15 de setembro de 2017

EXCLUSIVO! “Insatisfação geral”, diz Brandão sobre chegada de Roberto Rocha ao PSDB


Publicado em 15 de setembro de 2017 porgilbertoleda

WhatsAppEmailFacebookCompartilhar



O presidente estadual do PSDB no Maranhão, vice-governador Carlos Brandão, concedeu hoje (15) uma entrevista exclusiva ao Blog do Gilberto Léda, na qual comentou a recente notícia de que o senador Roberto Rocha acertou sua saída do PSB para filiar-se ao PSDB.

O movimento teria como objetivo garantir a candidatura do parlamentar ao governo em 2018, mas acaba por implodir a aliança tucana com o PCdoB, partido do governador Flávio Dino.

Segundo Brandão, da forma que ocorreu, a chegada de Rocha gerou grande insatisfação no partido, o que foi externado por lideranças tucanas em reunião na quinta-feira (14). Ele defende a manutenção da aliança com os comunistas.

“Insatisfação geral. Os prefeitos ligando, os vice-prefeitos, vereadores. Criou uma confusão muito grande dentro do partido. Isso vai nos levar a conversar com a direção nacional para rever isso, porque eu não posso ficar com toda a base insatisfeita”, declarou o vice-governador.

Ele apontou os avanços do PSDB no Estado para argumentar que a filiação do senador pode representar a ruptura de um projeto bem sucedido.

“Partido que até outro dia só tinha oito prefeitos, hoje tem 30 prefeitos. Um partido que até outro dia tinha nove vice-prefeitos, hoje tem 30 vice-prefeitos. Nós lançamos 76 candidatos e elegemos 60, sendo 30 prefeitos e 30 vice-prefeitos. Triplicamos o número de vereadores”, contabilizou.

Para Brandão, antes da sua gestão sob o comando da sigla, o PSDB “era um partido nanico”.

“Um partido que só existia em 80 municípios. Hoje é um partido que está em 217 municípios. Na última eleição tivemos cerca de 1 milhão de votos para prefeito. É um partido gigantesco hoje. Só perdemos para o PCdoB em termos de números de prefeitos, de musculatura. Então, como é que esse trabalho todo que foi feito, toda essa esrutura, de um partido que estava, aí, jogado. Fizemos uma aliança com o PCdoB e o resultado foi isso: foi o crescimento do partido”, avaliou.

O vice-governador reconhece que, no âmbito nacional, PSDB e PCdoB estão em campos opostos, mas ressalta que, no Maranhão a aliança fortaleceu os tucanos. Por isso defende a manutenção da união.

“O PCdoB tem uma situação, a nível nacional, contra o PSDB, mas aqui, a nível de estado, essa aliança fortaleceu o partido e a gente não pode desprezar isso. Acho que isso [o anúncio da filiação de Roberto Rocha] foi uma coisa muito ruim para o partido e nós discutimos ontem e a posição dos membros do partido é de insatisfação, de revolta e não concordar com esse projeto. Até porque, nada contra a pessoa do senador Roberto Rocha, ele pode ingressar no partido, mas da forma que foi feito é complicado. Acho que a gente teria que ser ouvido, a gente teria consultado as lideranças para que essas pessoas dissessem se estavam de acordo, ou não. Não dessa forma que foi feito”, acrescentou.

Conversa

Carlos Brandão explicou que a posição das lideranças locais será levada na próxima semana ao comando nacional do partido, num tentativa de reverter a tendência atual de rompimento com o PCdoB.

“Nós, com muita serenidade, com muita tranquilidade estamos tratando disso dentro do partido, mas vamos manifestar o que a gente ouviu da base para a executiva nacional. Vamos conversar com a executiva e expor que esse não é um posicionamento meu, por isso não me manifestei, fiz questão de ouvir o partido. Eu aqui estou sendo apenas o porta-voz da maioria esmagadora do partido. Não é o Brandão que tem nada contra a pessoa do Roberto Rocha, é o partido. O partido simplesmente não concorda com o projeto do senador Roberto Rocha”, reiterou.

Segundo ele, os tucanos maranhenses não apoiaram a ideia de “marchar com Roberto Rocha”.

“Nós não temos nenhum aliado nossa que queira marchar com o Roberto Rocha. Se assim o partido tivesse essa intenção, nós iríamos acatar essa decisão do partido, mas eu não encontrei apoio de ninguém dentro do partido, exceto o Sebastião Madeira, que já se manifestou contra o atual governo”, finalizou.

Sem comentários:

Enviar um comentário