segunda-feira, 7 de agosto de 2017

PF pede aval de Fachin para recuperar dados de celular do coronel Lima

Polícia Federal apreendeu celular do coronel aposentado João Baptista Lima Filho, amigo do presidente Temer.

Por Mariana Oliveira, TV Globo, Brasília

07/08/2017 16h24 Atualizado há 20 minutos

A Polícia Federal pediu autorização ao ministro Luiz Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, para submeter o celular apreendido com o coronel aposentado João Baptista Lima Filho a um procedimento técnico para recuperação de dados. O coronel Lima, como é conhecido, é amigo do presidente Michel Temer.

Fantástico: Firma de amigo de Temer fechou contratos milionários para Angra e fóruns de SP

O pedido é assinado pelo delegado Josélio Azevedo de Souza, coordenador do núcleo político da Operação Lava Jato na PF, e foi apresentado no âmbito das investigações relcionadas às buscas e apreensões relacionadas a Temer no último mês de maio, na Operação Patmos. O caso ainda não foi analisado pelo ministro Fachin.

"Solicito autorização de vossa excelência para submeter o aparelho celular apreendido na posse de João Baptista Lima Filho a um procedimento especial pelo Instituto Nacional de Criminalística visando a extração de dados. A técnica a ser utilizada se faz necessária para a recuperação plena dos dados contidos no referido aparelho, conforme laudo, em cópia, e requer autorização específica deste juízo pois seu uso pode ocasionar a perda de dados do celular apreendido", escreveu o delegado da PF no pedido ao Supremo.

O laudo encaminhado junto com o pedido da PF informa que o celular foi apreendido no endereço do coronel Lima em São Paulo.

Segundo o material, em relação a emails, só foi possível obter data, hora, assunto, remetente e destinatário, mas "o conteúdo (corpo) dos emails não foi extraído devido a impossibilidade de acesso à área de memória protegida do equipamento".

Para extrair os dados, é necessário utilizar a técnica de desbloqueio "jailbreak", mas o procedimento pode fazer os dados serem apagados ou pode levar à inutilização do aparelho, diz o laudo.

Além disso, a perícia também não conseguiu acessar mensagens do WhatsApp e quer realizar uma técnica chamada "root", que também representa riscos para a integridade dos dados.

Sem comentários:

Enviar um comentário