terça-feira, 22 de agosto de 2017

Marcar crianças é indigno. É injusto. É desumano


Na semana passada, conversava com um primo e lembrávamos os tempos da escola. Entre as reminiscências a hora do lanche e quão saborosa era a merenda escolar, em meados dos anos 80, no pacato povoado Jacioca, em Bequimão. Do cardápio, o item mais lembrado era um delicioso mingau lácteo sabor baunilha. Relembramos também as almôndegas, a sopa…
– Nunca mais saboreei um arroz com macarrão tão gostoso como aquele! Disse o primo.
– Os lanches eram realmente muito saborosos. Concordei.
– Acho que era nossa fome também que fazia a comida ainda mais deliciosa. Nós íamos para a escola, muitas vezes, para nos alimentarmos melhor. Concluiu ele.
Fiz questão de relatar o rápido diálogo para mostrar a importância da merenda escolar no ambiente da escola pública. Nenhuma criança pode ter bom rendimento escolar sem estar bem alimentada. Disto, por certo, poucos haverão de discordar.
Mas, nestes tempos obscuros do nosso país, acontecem coisas capazes de fazer corar de vergonha até as mais inoxidáveis panelas. Há poucos dias, São Paulo, maior cidade da América Latina, protagonizou uma das cenas mais vexatórias de nossa história recente. Alunos marcados nas mãos para não repetir o lanche escolar. Isso mesmo!
Na cidade mais rica e desenvolvida do Brasil, alunos de escolas públicas são proibidos de repetir a merenda escolar. Imagem degradante, bizarra, vergonhosa para a humanidade. Pior, isto ocorreu no estado, onde administradores festejam o deus mercado.
O Brasil vivencia a estranha experiência RobinHoodiana às avessas. O governante de plantão Michel Temer retira dos pobres para dar aos ricos. Fez isso ao anistiar bilionária dívida dos ruralistas e das grandes empresas com dívidas astronômicas, enquanto penaliza os mais pobres a pagarem a conta, seja com desconto de dez reais no salário mínimo ou com abusivo e ilegal reajuste nos preços dos combustíveis. Os poderosos parecem decididos a perpetuar e ampliar a desigualdade social no país. Mas, chegar ao cúmulo do absurdo de “ferrar” alunos nas escolas… Crianças não podem, nem devem ser tratadas como gado. É indigno! É injusto! É desumano!
Antes, deveriam ser marcados os contumazes corruptos, que pegos em tenebrosas transações são capazes de escapar e se reinventar. Basta ver indigitados dirigentes de empresas públicas do passado, hoje travestidos de gestores bem-sucedidos e modernos empreendedores. Estes, sim, deveriam não apenas ser marcados, mas banidos da vida pública para que nossas crianças não tenham que passar pelo constrangimento de estudar em condições degradantes e sem merenda escolar.
Por experiência própria, sempre sonhei com o dia em que a merenda escolar fosse também estendida para alunos de ensino médio. Hoje, alegra-me ver que o Maranhão acessa, com décadas, talvez séculos de atraso, o patamar de oferecer a estudantes de ensino médio escolas em tempo integral e profissionalizante, que aliam a oferta de conhecimento, ambientes dignos, com café, lanches, almoço e jantar para os jovens alunos. Escolas dignas, que servem de inspiração para nosso país.
Radialista, jornalista. Secretário adjunto de Comunicação Social e diretor-geral da Nova 1290 Timbira AM

Sem comentários:

Enviar um comentário