quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

Roseana deixou débito de R$ 30 milhões com a Cemar para provocar apagão no governo Flávio Dino


Por Garrone



Roseana atrasou pagamento da Cemar para provocar apagão no governo Flávio Dino

Levantamento da Companhia Energética do Maranhão (Cemar) mostra que o governo de Roseana Sarney (PMDB) deixou uma dívida de R$ 30 milhões com a concessionária de energia, ameaçando provocar um verdadeiro apagão em várias secretarias, inclusive em escolas públicas.

O não pagamento das contas da Cemar começou logo após a derrota do dia 5 de outubro e foi até o final do governo em dezembro, sem que a Companhia, que foi privatizada por Roseana em mais um dos seus grandes negócios, efetivasse o devido corte do serviço a que está sujeito qualquer consumidor.

Uma cama de gato preparada para estourar no início do governo Flávio Dino, que recebeu o governo com apenas R$ 24,2 milhões e dívidas até então somadas de R$ 1,3 bilhões. Um dois diretores da Cemar é José Jorge leite Soares, primo da ex-governadora Roseana Sarney.

Na Secretaria de Saúde do Maranhão, comandada até o final de dezembro pelo ex-secretário Ricardo Murad (PMDB), o calote chega a 4,9 milhões de reais, referente ao consumo de hospitais públicos, prédios e órgãos administrativos da pasta.


Faturas de débito deixadas pela ex-governadora com a Cemar

Também sujeita às decisões do cunhado de Roseana até o fim do ano passado, a Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) acumulou uma dívida de R$ 18,6 milhões nos meses de outubro, novembro e dezembro.

Na Secretaria de Planejamento do Estado, o antigo gestor deixou um rombo de R$ 3,5 milhões. Na Secretaria de Educação, as escolas públicas estaduais correm o risco de ter o consumo cortado por causa do débito de quase R$ 2,8 milhões deixado em aberto pelo ex-secretário Danilo Furtado.

Sem comentários:

Enviar um comentário