quarta-feira, 7 de maio de 2014

FIM DA CPI DO FRANGO EM PAÇO DO LUMIAR - Jorge Maru e Prof.Correia



Na legislação de 2012, o professor Correia era secretário Adjunto de Desenvolvimento Social de Paço do Lumiar. Na época, o vereador Jorge Maru, recebeu uma denúncia da cozinheira e da nutricionista da SEMED. O parlamentar convocou o professor para dar esclarecimentos sobre o caso, na Câmara. O mesmo alegou que não foi notificado.

O caso que estava na justiça, teve desfecho, com o esclarecimento de Maru, que relatou que o professor Correia já explicou a situação. Segundo ele, o professor afirmou que deixou 1 frango para a alimentação da SEMED e levou os outros 35 para as escolas. 

Maru deixou claro que não foi uma retratação, não inventou o assunto, "eu fui na SEMED e fui abordado pela cozinheira, e pedi que o professor Correia desse explicações sobre o caso. a Câmara aprovou o convite." Finalizou.

1 comentário:

  1. A HISTÓRIA DO FRANGO QUE O VEREADOR JORGE MARU NÃO FALOU.
    Dos fatos: O vereador Jorge Maru nunca notificou o professor Correia para qualquer que seja o esclarecimento.
    Esses 36 frangos estava em um depósito alugado pela ex- prefeita Bia Aroso, a mesma estava em débito com o aluguel. A proprietária do imóvel relatou que só entregaria os frises e os frangos mediante pagamento da dívida.
    Foi o período em que Raimundo Filho assumiu a prefeitura e , pagou o débito, de maneira que esses frangos foram entregues às escolas e assinado recebimento pelas diretoras.
    Se essa tão Maria que conheço muito bem criou esse fato, foi motivada por alguém para mentir, deveria também se retratar pelo erro cometido.
    Na verdade, Jorge maru andava chateado pelo fato do Movimento SOS ter várias vezes questionado a sua postura e a dos demais vereadores que nunca se importaram com as várias denúncias feitas no Ministério Público contra a ex- Gestora do Município, por isso para tentar desmoralizar o professor Correia, criou essa história, entretanto não foi ético o suficiente para levar à Câmara as provas que poderiam incriminar o acusado. O que ele não sabe, é que outras providências estão sendo tomadas, mas poderão ser evitadas, desde que ele convide a sua cozinheira que também era cozinheira da SEMED para esclarecer os fatos e dirimir os equívocos.
    Sem nenhuma mágoa, aconselho o nobre parlamentar a buscar na sua consciência a capacidade de discernir bem tudo que por ventura sentir vontade de fazer, e não agir com imaturidade e guiado pela emoção, busque a razão e faça com eficiência sempre uma boa dialética em suas atitudes.
    Obs: Gostaria que democraticamente o autor desse blog publicasse os meus argumentos.

    ResponderEliminar