quarta-feira, 26 de março de 2014

#BRASÍLIA - Graça Foster vai ao Senado no dia 8 e Lobão no dia 15, anuncia líder do PT

Presidente da Petrobras e ministro vão explicar compra de refinaria.
Senadora Gleisi Hoffmann discursou no plenário em defesa de Dilma.

Priscilla Mendes
Do G1, em Brasília
91 comentários
O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), disse nesta quarta-feira (26) que acertou as datas nas quais a presidente da Petrobras, Graça Foster, e o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, darão explicações à Casa sobre a compra da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), suspeita de superfaturamento. A chefe da estatal participará de audiência no próximo dia 8 e o ministro no dia 15, segundo o parlamentar.
Nesta terça-feira (25), a Comissão de Meio Ambiente e Fiscalização e Controle e a Comissão de Assuntos Econômicos aprovaram convite para que Lobão e Foster prestem esclarecimentos sobre a compra por US$ 1,18 bilhão da refinaria. A transação se tornou alvo de investigações do Tribunal de Contas da União, da Polícia Federal e do Ministério Público Federal devido ao alto valor da aquisição; em 2005, a usina fora comprada por US$ 42,5 milhões (saiba mais ao lado). As duas comissões ouvirão as autoridades em sessão conjunta. "Eles confirmaram que vêm. A presidenta Graça Foster aceitou a sugestão do dia 8, o ministro Lobão, dia 15", informou o líder petista.
Costa, que critica a eventual criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar o caso, disse que as comissões "terão toda a liberdade" para indagar Foster e Lobão sobre a transação. Costa disse ter “absoluta certeza” de que a presidente da Petrobras e o ministro vão esclarecer “quaisquer dúvidas”.
Os partidos de oposição começaram na última terça-feira a recolher assinaturas para o requerimento que cria uma comissão mista de investigação. São necessários 171 nomes na Câmara e 27 no Senado. Humberto Costa disse que o PT “fechou questão” sobre o assunto. Para o partido, “nada adiantará a instalação de uma CPI ou de uma CPMI para investigar a Petrobras, a não ser para a disputa que a oposição pretende fazer e que por isso busca desesperadamente um palco para fazê-lo”, segundo informou o senador pernambucano. A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), ex-ministra da Casa Civil, apoiou o discurso em plenário feito pelo colega petista. A parlamentar saiu em defesa da presidente Dilma Rousseff, com quem trabalhou nos três anos em que chefiou o ministério.
“Eu trabalhei por quase três anos com a Presidenta Dilma e sou testemunha do seu caráter, da sua retidão, mas, principalmente, da sua competência e dedicação ao serviço público. Ao contrário do que estão dizendo por aí, foi a própria Presidenta Dilma, correndo o risco de receber críticas, quem veio a público e disse que tinha tomado uma decisão com base em relatório e parecer falho”, declarou Gleisi.

Sem comentários:

Enviar um comentário