quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

João Castelo quer cassar Edivaldo Holanda Jr.


Por O estado do Maranhão


A coligação "Pra Fazer Muito Mais", liderada pelo prefeito João Castelo (PSDB) na corrida para a Prefeitura de São Luís, decidiu ir à forra no tapetão da Justiça Eleitoral e protocolou, terça-feira, dia 19, duas ações contestando a eleição do candidato da coligação "Muda São Luís", Edivaldo Júnior (PTC). Nos dois processos, que tramitam na 1ª Zona Eleitoral da Capital, os advogados do tucano pedem que o diploma do petecista seja cassado. Numa das ações, a coligação de João Castelo aponta o suposto uso de meio de comunicação de forma irregular pela campanha de Edivaldo Júnior. Segundo a denúncia, o prefeito eleito teria utilizado a Rádio Capital - de propriedade da família de Roberto Rocha (PSB), vice-prefeito eleito - ilegalmente para beneficiá-lo. No outro caso, os advogados de Castelo argumentam que a chamada "Milícia 36" - evento organizado por militares e que marcou o debate da campanha no 2º turno - teria sido usada como mote para a compra de votos e apoio político pelo candidato do PTC. Em ambos os casos, o atual prefeito da capital pede à Justiça Eleitoral a cassação do diploma de prefeito eleito dado a Edivaldo Júnior. Os processos serão julgados, inicialmente, pelo juiz José Américo Abreu Costa, titular da 1ª Zona, que já informou, via assessoria de comunicação do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), a disposição de começar a instruí-los a partir de hoje, apesar do recesso. A defesa do prefeito eleito alega que não se pronunciará enquanto não for notificada oficialmente. "Ainda não fomos citados, tampouco tivemos acesso aos autos", explicou Marcos Braid, que trabalhou como advogado da coligação de Edivaldo Júnior e foi escolhido para ser procurador-geral do Município pelos próximos quatro anos. Vale aguardar o desfecho, que pode ser apenas um zumzum, mas também pode ganhar o teor de bomba.

Sem comentários:

Enviar um comentário

COMPARTILHE COM OS AMIGOS