quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Projeto desenvolvido com jovens da Vila Embratel pode ser modelo na França

Comitiva francesa conheceu ontem as ações e resultados do Comunicapaz, desenvolvido pela UFMA com jovens de 14 a 24 anos de escolas públicas.
As ações e resultados do Comunicapaz, projeto desenvolvido pelo Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal do Maranhão (UFMA) com jovens de 14 a 24 anos de escolas públicas da Vila Embratel, foram discutidos ontem no primeiro dia do I Colóquio Internacional de Cultura de Paz em São Luís. A comitiva francesa da École de La Paix, instituição de pesquisa vinculada à Unesco, revelou estar impressionada com o projeto e considera levar o modelo de pesquisa e extensão para a França.
Com o tema “Tecendo Redes de Paz”, o colóquio se estende até hoje no auditório da Escola de Arquitetura da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), no Centro, como uma proposta de intercâmbio de experiências internacionais em torno da cultura de paz, cujo foco principal das discussões foi o projeto Comunicapaz.
Trabalhando com a produção de vídeo, áudio, jornal, fotografia e material para a web, os jovens que participaram do projeto passaram por oficinas de capacitação onde tiveram a oportunidade de conhecer os valores da cultura de paz e disseminá-los na comunidade em que estão inseridos.
Segundo a professora Vera Salles, idealizadora do Comunicapaz, o projeto nasceu em 2010 de uma tese de doutorado, e dois anos após sua implantação na Vila Embratel os resultados são visíveis. “A nossa proposta foi oferecer a linguagem audiovisual e artística adaptadas ao mundo jovem para trabalhar a cultura de paz de uma forma que a escola não proporciona por meio de oficinas. Hoje, os próprios alunos dizem para nós que passaram a diminuir a agressividade e se sentem mais valorizados”, afirmou.
Para o sociólogo francês Pierre le Queau, a receptividade dos jovens da Vila Embratel para o Comunicapaz foi o que mais impressionou os visitantes, pois é diferente do que acontece com a juventude das universidades da França. Em parceria com a Uema e a UFMA, a Universidade Pierre Mendès, de Grenole, desenvolverá uma unidade de pesquisa internacional.
Pobres - Pierre le Queau lembrou ainda que o projeto faz um ponte entre as camadas mais pobres e a universidade, criando o interesse nesse público em ingressar no ensino superior. “Precisamos de mais dessas intervenções na França porque não existe extensão. O objetivo das nossas universidades é mais voltado para a formação dos estudantes”, disse.
A vinda da comitiva francesa ao Maranhão teve como objetivo consolidar o convênio de cooperação internacional assinado no ano passado pela École de La Paix e a UFMA. O convênio entre as instituições foi pensado ainda em 2009 com o projeto de pesquisa sobre as formas de expressão dos jovens da Vila Embratel.
A comitiva francesa que participou do evento visitou, no dia 24, o Núcleo de Extensão da UFMA na Vila Embratel (Neve), onde foram realizadas as apresentações culturais dos jovens assistidos pelos projetos Comunicapaz e Conexões de Saberes.

Mais

Os franceses visitaram ainda unidades de cumprimento de medidas socioeducativas Centro da Juventude Canaã (Vinhais) e Alto da Esperança (Anjo da Guarda), órgãos vinculados à Secretaria de Estado de Direitos Humanos e Cidadania (Sedihc), para conhecer as políticas públicas voltadas para os direitos humanos no Estado. Segundo a secretária de Direitos Humanos e Cidadania, Luiza Oliveira, a intenção é apoiar a continuidade do projeto para implantar escolas de paz no Maranhão.

Sem comentários:

Publicar um comentário