sexta-feira, 30 de novembro de 2012

A JUVENTUDE DE PAÇO NÃO PODE SER DESTRUÍDA PELA VIOLÊNCIA!



Tácio Kaique

O Conselho Superior de Segurança Pública do Maranhão deve enviar, ainda hoje, ao Comando Geral da Polícia Militar um ofício, no qual comunica a exclusão da corporação do cabo Sandro Morett Furtado de Oliveira, de 27 anos, lotado no 9° Batalhão da PM. A exoneração do militar se deu em virtude de ele ter assassinado a tiros o estudante Tácio Kaique Pereira Pires, de 18 anos. O jovem morreu no dia 9 de dezembro de 2011, depois de ter sido alvejado no dia 27 de novembro daquele ano, no bairro Maiobão.
Em contato com o setor da Secretaria de Segurança Pública (SSP), O Estado recebeu a confirmação da exclusão do PM, porém, não teve acesso aos detalhes da decisão, que ainda devem ser divulgados nos próximos dias, pelo próprio comandante-geral da PMMA, coronel Franklin Pacheco. Para os pais da vítima, que peregrinaram no Poder Judiciário, buscando a condenação e a exoneração do militar, a decisão do conselho significa a conquista de justiça pela morte precoce do filho, que se preparava para ingressar na Aeronáutica em janeiro.
“A exclusão desse policial não vai trazer o nosso filho de volta, temos essa consciência. Entretanto, é a prova de que com muita persistência podemos conseguir fazer justiça, e desta este PM não poderia fugir. Afinal, ele se mostrou um profissional completamente despreparado para vestir uma farda de policial, e muito menos para transitar por aí com uma arma em punho. Precisamos, sim, de policiais competentes, e não de ameaças ambulantes pelas ruas da cidade”, desabafou o pai do estudante, o vendedor Ivaldo Magno Pires, 46 anos.
Tácio Kaique Pereira Pires, segundo a polícia, caminhava no Viva do Conjunto Maiobão, na companhia de dois amigos, quando o Cabo Morett, como era conhecido por seus colegas de farda, passou dirigindo um veículo Ford Fiesta de cor preta, e placas JHC-0403, por cima do pé do estudante, além de ter batido com o retrovisor na vítima. Revoltado com a imprudência do PM à paisana, o estudante reclamou e se desentendeu com o militar, momento em que o policial retornou ao carro, pegou sua arma e atirou.
Baleado no abdômen, Tácio Kaique Pires teve o intestino perfurado, e foi levado às pressas ao Hospital Municipal Dr. Clementino Moura (Socorrão II), onde não resistiu depois de ter ficado internado na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) durante 12 dias.

Mais

Dias após o crime, o cabo Sandro Morett Furtado de Oliveira compareceu espontaneamente à Delegacia Especializada do Maiobão, e confessou ter atirado contra o estudante. Na ocasião, o PM entregou a arma do crime ao delegado Arlindo Assunção, que presidiu o inquérito, e recebeu denúncia da família de que o veículo do militar seria fruto de roubo, registrado em um estacionamento de uma faculdade particular, em Brasília (DF), e que a verdadeira proprietária seria uma professora.


NADSON MAYA. Relembre o caso

NADSON MAYA foi cruelmente ASSASSINADO por este DELINQUENTE.

Caso saiba quem é, e onde encontrá-lo, dê informações. JUSTIÇA JÁ. Os filhos do demônio, não podem vencer os filhos de DEUS.
CLICK e veja os detalhes dele, no vídeo do assalto

Destaque no Jornal Pequeno

Morte de jovem em assalto provoca revolta e protesto

Diminuir corpo de texto Aumentar corpo de texto
9 de novembro de 2012 às 09:58
POR JULLY CAMILO
Foi sepultado na tarde de ontem (8), no Cemitério Jardim da Paz (Estrada de Ribamar), o corpo de Nadson Roberto Maia Sousa, de 27 anos. Ele morreu na quarta-feira (7), no Hospital Municipal Clementino Moura (Socorrão 2), onde estava internado desde a manhã do sábado (3), após ser atingido por dois tiros, num assalto ao RS Sucata, de propriedade de seu pai, Cícero Roberto Furtado de Sousa, 47.
Ontem, durante o velório, ocorrido na residência do rapaz, um tio da vítima falou com o Jornal Pequeno. Rosinaldo Furtado, também comerciante, contou que no sábado, por volta das 9h, dois homens, sendo um jovem e outro de aparência mais velha, chegaram à sucata numa moto e fizeram perguntas sobre os preços de algumas mercadorias.
Ele disse que Nadson foi quem atendeu os homens. “Na verdade, eles estavam esperando meu irmão, Cícero, chegar, pois ficaram por ali de bobeira. Minutos depois, o Cícero chegou e os indivíduos anunciaram o assalto.”
Foto: G. Ferreira
Nadson Maia Sousa (det.) foi velado em sua casa, no Maiobão
Segundo Rosinaldo, os ladrões já estavam indo embora, levando dinheiro, um notebook e outros pertences, quando Cícero resolveu reagir, atingindo o “garupa” da moto com uma barra de ferro.
Na sequência, ao presenciar a reação do pai, Nadson iniciou uma luta corporal com o homem atingido com a barra de ferro, ocasião em que foi alvejado com dois tiros – um na barriga, outro na cabeça –pelo assaltante que conduzia a moto. “O Nadson ainda foi levado às pressas para o Socorrão 2, mas não resistiu aos ferimentos”, contou Rosinaldo.
De acordo com o tio da vítima, esse foi o segundo assalto à sucata. “O Maiobão se transformou em um bairro perigoso, e a polícia só chega depois que os crimes acontecem”, disse o comerciante. O instrutor de trânsito Aurino Costa, amigo da família da vítima, afirmou que a prática de delitos está virando rotina no Maiobão.
“Até na Praça do Viva, que fica em frente à delegacia de polícia, o tráfico de drogas acontece ostensivamente, na frente de todos”, contou Aurino. O operador de empilhadeira Ademar Rodrigues, 52, disse que está afastado do trabalho há seis anos, por conta da violência no bairro. “Fui espancado por ladrões durante uma tentativa de assalto e perdi 90% da visão do olho esquerdo”, afirmou Ademar.
Nadson Sousa era casado e tinha um filho de 1 ano. Qualquer informação sobre o paradeiro dos homens envolvidos no assassinato do comerciante pode ser repassada ao Disque-Denúncia pelos telefones 3223-5800 (capital) e 0300-313-5800 (interior). Não é necessário se identificar e o serviço funciona 24 horas.

Sem comentários:

Publicar um comentário